domingo, 21 de dezembro de 2008

Feliz Natal?

Por João Paulo da Silva

Papai Noel é o personagem mais famoso do Natal. O velhinho de barbas brancas foi inspirado na figura de São Nicolau Taumaturgo, arcebispo de Mira, na Turquia do século IV. Nicolau ficou conhecido por ajudar, anonimamente, os que estivessem passando por apertos financeiros. Lalau, que depois foi declarado santo, costumava deixar uma sacolinha de moedas de ouro na chaminé das casas.

Como acontece com maioria das histórias antigas, a lenda do velho Noel também sofreu modificações ao longo dos séculos. A consolidação do capitalismo e a globalização da economia também mexeram com o espírito natalino. Parece que a crise econômica e a aproximação do Natal ajudaram a revelar o lado Papai Noel dos principais governos do mundo.

Uma enxurrada de cifras astronômicas foi (e continua sendo!) liberada para salvar banqueiros e empresários da anarquia capitalista. Entre deixar os magnatas se quebrarem ou quebrar os trabalhadores, os governos escolheram a segunda opção. É verdade que não há nada de novo na preferência daqueles que hoje comandam os países, mas esperava-se pelo menos um pouco de discrição na hora de meter a mão no dinheiro público para salvar capitalistas.

Há duas importantes diferenças entre São Nicolau e os governantes do capitalismo. Nicolau deixava uma sacolinha de moedas de ouro na chaminé das casas e fazia questão de preservar seu anonimato. Os governantes do capitalismo não. Despejam trilhões nos bolsos dos ricos e ainda posam para as fotos, com as caras mais cínicas do mundo.

Por conta da crise, os líderes mundiais anteciparam seus presentes de Natal. Para aqueles que lucraram muito com a exploração de milhões, a recompensa vem na forma de pacotes econômicos bilionários. Para os que trabalharam muitas horas por um mísero salário, o prêmio é mais desemprego e pobreza.

Agora, para ser um Natal daqueles, só está faltando mesmo é dizerem que o critério usado na escolha dos presentes foi o bom ou o mau comportamento durante o ano de 2008.

****

Idéia para uma história de Natal.

É noite. E Papai Noel viaja em seu trenó da Lapônia até o Brasil, puxado por suas renas. Pousa com segurança no telhado de uma casa e, cuidadosamente, entra pela janela. Uma vez dentro, dá de cara com o Robertinho e a Jandira.
- Papai Noel! Você veio de verdade. – falam as crianças magricelas.
- Pois é, garotada. Mas não posso demorar muito. Agora deixa eu ver aqui o que foi que vocês me pediram.
E o velho Noel começa a remexer nas cartas enviadas.
- Você, Robertinho, me pediu uma cesta básica, não foi?
- Isso mesmo.
- Bom, filho, você deve ter percebido que esse ano a comida aumentou demais. Sendo assim, nesse Natal só vou poder te dar esta caixinha de chicletes. Toma aí.
- E o meu presente, Papai Noel? – falou a Jandira.
- Bem, o seu foi... deixar ver... um emprego pro seu pai, certo?
- Foi isso sim, Papai Noel.
- Mas vocês hein?! Só me pedem presentes difíceis, ora bolas! Olha, Jandira, não vai ter emprego pro teu pai não. A crise econômica está aí, a recessão também. E o cenário é de demissões em massa. Eu mesmo já demiti metade dos meus duendes e dei férias coletivas pra seis renas.
- Mas Papai Noel...
- A gente não pode ter prejuízo nos negócios, entende? Alguém precisa pagar o pato. Mas faz o seguinte, Jandira. Pede pro seu pai pegar a caixa de chicletes que eu dei ao teu irmão e fala pra ele ir vender lá no sinal da esquina. Ok?
- Mas Papai Noel...
- Não tem “mas” nem meio “mas”. Agora deixem eu ir que já estou atrasado. Preciso entregar os presentes de alguns banqueiros e empresários. Feliz Natal pra vocês e até o ano que vem.

6 comentários:

O cavaleiro da Triste Figura disse...

Gosto do uso do 'teu' no lugar de 'seu', indica impessoalidade. A expressão 'lalau' foi uma referência ao juiz nicolau dos santos neto?
De um todo gostei, ficou criativo.
Abraço João.

Fabiano disse...

kkkkkk
vc heim João nos brinda com mais um excelente texto... ;)

Acho que o papai noel que vc relata é aquele das maravilhosas propagandas da coca-cola... ajudando a enriquecer os banqueiros e as multinacionais... viva Santa Claus, vulgo Lalau hehe

CDRL-SESC/AL disse...

Grande João!

Desde a jornada de literatura do SESC que estou com suas fotos com o Moacir Sclier! Manda teu e-mail para eu te enviar: jackrpassessoria@gmail.com

Grande abraço.

Mário Júnior disse...

Cruel esse Papai Noel que você descreve vindo ao Brasil, hein? Rechaçou os pedidos dos mais humildes (muito simples, por sinal) e correu pra presentear os "banqueiros e empresários". A perfeita personificação do espírito do capital: ávido por lucros e com uma natureza reprodutiva incontrolável.

Papai Noel, Nicolau, Lalau! Pensei que você faria uma caricatura do juiz Nicolau dos Santos Neves quando vi o início do texto. Mas nem foi o caso... :p

Lívia disse...

Como sempre, e não é de se espantar, sua crônica ficou muito boa e crítica. Parabéns.

Bruno MGR disse...

Me lembra nesse começo de ano o nosso prefeito benfeitor Cicinho que aumentará a passagem pra 2 reais a partir dessa segunda-feira.
Já dá pra pensar em maiar...