domingo, 7 de março de 2010

O lugar da mulher

Por João Paulo da Silva

Como prova de que este cronista odeia ver injustiças, hoje pretendo esclarecer algumas mentiras a respeito das mulheres. Você, obviamente, já escutou (ou até mesmo já disse) que “lugar de mulher é em casa, cuidando dos filhos e do marido”. Ou ainda que determinada ocupação “não é trabalho para uma mulher”. Ou talvez muito pior: “por natureza, a mulher é um sexo inferior ao homem”.

Durante vários séculos, milênios até, bravatas como essas foram difundidas mundo afora. Na verdade, foram tão espalhadas que mesmo algumas mulheres acreditaram nessas lorotas. Entretanto, nada mais justo do que mostrar os fatos e revelar o real lugar das mulheres na sociedade. E eu dou oitenta chibatadas naquele que disser que é a cozinha.

Para não me acusarem de leviano, tudo o que eu disser aqui estará amparado por estudos antropológicos de gente importante, como Lewis Morgan, J.J Bachofen, Robert Briffault, Gordon Childe e Tufton Mason. Bom, é só um aviso para os machistas de plantão.

A vida humana na Terra tem mais ou menos 1 milhão de anos. Deste tempo, quase 99% diz respeito ao período da pré-história, na qual as sociedades primitivas reinavam absolutas, sem nenhuma forma de desigualdade social e sem qualquer tipo de abuso sobre as mulheres. A civilização, como nós a conhecemos, com a divisão em classes sociais, o casamento monogâmico e o machismo, é praticamente um bebê na história da humanidade. Tem pouco mais que 5 mil anos. Isto significa dizer que nem sempre a sociedade foi como é hoje. E, claro, nem sempre foram os homens que deram as ordens. Não fossem as mulheres, os homens ainda estariam se balançando em galhos e a humanidade não teria chegado aonde chegou.

Nas sociedades primitivas, a economia era comunitária e ninguém era dono de nada. Tudo o que fosse colhido ou produzido pertencia a toda a tribo. Essa forma de organização social garantia a igualdade entre todos, sob todos os aspectos. Neste período, por exemplo, as mulheres gozavam de prestígio, respeito e eram sexualmente livres. Não precisavam casar para ter o sustento do dia a dia.

Em nossa sociedade de classes, costuma-se dizer que por causa de suas funções reprodutoras a mulher é um ser frágil e inferior. Antigamente, porém, as coisas não funcionavam assim. Era justamente em razão de sua maternidade que a mulher era tão importante na sociedade primitiva. Era o famoso matriarcado.

A responsabilidade pela perpetuação da espécie estava nas mãos dela. Se morressem vários homens, isso não representava um grave problema. Entretanto, se morressem muitas mulheres, aí o negócio complicava. Exatamente por isso que em várias tribos a caça era uma atividade masculina. Não por uma questão de vigor físico e habilidade, mas de importância.

Foi o fato de ficarem nas aldeias para cuidarem da tribo que transformou as mulheres em produtoras e organizadoras da vida social. Você não faz ideia do que nós devemos às mulheres. Mas vou resumir.

Como os homens passavam dias caçando e correndo atrás de mamutes, as mulheres começaram a desenvolver a colheita de frutos. Afinal, não dava pra confiar que os machos voltariam com comida para a tribo. Às vezes, nem eles mesmos voltavam. Assim, a colheita era uma garantia maior.

Depois, as mulheres passaram para uma horticultura bem rudimentar até chegarem ao cultivo mais especializado da terra com a agricultura. Isso permitiu que elas desenvolvessem a maior parte dos instrumentos, conhecimentos e técnicas de conservação de alimentos que temos notícia. Mas não pararam por aí.

Enquanto a gente corria atrás dos mamutes, elas criavam utensílios e galpões para armazenar a comida produzida. Desenvolveram a cerâmica, a curtição de peles, a tecelagem e a construção de habitações. As primeiras descobertas e experiências da botânica, da química e da medicina também foram obras das mulheres. “Ficando em casa”, elas edificaram o progresso social.

Foram elas as primeiras agricultoras, trabalhadoras industriais, engenheiras e professoras, já que era necessário desenvolver a inteligência para passar toda a herança cultural para as outras gerações. Até o domínio do fogo e a domesticação de animais são responsabilidades delas, que aprenderam com isso a caçar pequenos roedores. As mulheres fizeram tudo. E nós, homens, onde estávamos? Correndo atrás de mamutes, claro.

As primeiras mulheres passaram quase 1 milhão de anos trabalhando no desenvolvimento da base de tudo que conhecemos. Entre descobertas e experiências, as mulheres fizeram a humanidade avançar. Garantiram, inclusive, a emancipação dos homens, que pegaram uma baita de uma carona em todo o trabalho feito pelas mulheres. Até mesmo o mérito da criação de nossa linguagem articulada pertence a elas. Como estavam sempre juntas trabalhando e nós, homens, precisávamos ficar em silêncio para caçar, as mulheres acabaram por desenvolver a fala. Não é por acaso que hoje elas são as melhores oradoras e escritoras.

Um último exemplo, muito emblemático por sinal. Aquela história de que, por natureza, as mulheres são fisicamente inferiores aos homens também é lorota. Como trabalhavam duro, elas desenvolveram os músculos e muitas vezes carregavam pesos que nenhum outro homem da tribo conseguia carregar.

Só há um aspecto da evolução humana, na época das sociedades primitivas, em que as mulheres falharam: a depilação. Segundo alguns estudos, o hábito feminino de se depilar surgiu apenas no período da civilização e Cleópatra teria sido a primeira mulher no mundo a fazer depilação. Quer dizer, por quase 1 milhão de anos as mulheres foram seres peludos.

Bobagens a parte, resta dizer que toda essa organização social regida pelas mulheres primitivas foi usurpada e deturpada pelos próprios homens, que se apoderaram de tudo o que foi desenvolvido e fundaram a propriedade privada, as classes sociais, o machismo, o casamento monogâmico e toda essa porcaria de sociedade que temos hoje.
Enfim, o verdadeiro lugar da mulher é no comando do mundo. Hora de devolvê-lo a elas. Às trabalhadoras, claro.

8 comentários:

Anderson Santos disse...

O Engels trata muito bem dessas questões na "Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado", muito bem representada por você - com exceção da questão dos pelos.

E pensar que o dia 8 de março surgiu como uma forma de luta de operárias oprimidas e mortas por industriais e hoje serve muito para empresas promoverem cosméticos...

seune disse...

muito bom, joao!

Igor Bayma disse...

olha, a parte da depilação, ao contrário de vc, acho que foi um grande acerto!!!!

Anônimo disse...

pro evolucionismo eu dou um desconto, agora essa dos pêlos foi lamentável...
de qualquer maneira, q bom q vc tem disposição pra combater o maxismo.
isso é muito importante

H. D. Cristina disse...

PERFEITO João!! Uma bela e suave introdução a textos bem pesados e extremamente importantes. Saiba que é muito, muito difícil eu elogiar homens, até por falta de motivos mesmo, mas você merece, caso pense verdadeiramente assim, meu respeito.

Saiba que quando ataco homens e o faço pesadamente (principalmente nas redes sociais), ataco um tipo particular de homens hoje a maioria infelizmente, mas não homens como você e uns poucos que permito entrar em minha vida.

Obrigada, pelo texto.

Monique disse...

Muito bom texto! Está de parabéns!! Concordo com Bayma, a parte da depilação foi um acerto... mas podia ser menos doloroso, rsrsrsrs

Alynne Karen disse...

João, adorei!!! O texto é uma ótima reflexão para a sociedade atual. Vamos valorizar o verdeiro lugar e o real significado da mulher na sociedade. Abraços!!!

Téo Carnaúba disse...

Ótimo redescobrir um post antigo e perceber que o mesmo continua atual e importante como foi desde antes de sua concepção. Grande alerta, João, e grande escrita!