domingo, 29 de maio de 2011

As coisas e o que fazemos com elas

Por João Paulo da Silva

Ceará-Mirim, Rio Grande do Norte. Maio de 2011. Eu tinha ido cobrir um protesto de 200 trabalhadores rurais sem terra naquele município. Com suas camisas e bandeiras vermelhas, eles deslizavam pela principal avenida do centro da cidade como um rio de sangue, som e fúria. Era o sangue dos companheiros mortos em Eldorado dos Carajás, o som das reivindicações urgentes e a fúria da necessidade de viver. A caminhada ia em direção à sede da Prefeitura, onde o MST exigiria do chefe do executivo municipal a construção de uma escola nas proximidades de seus assentamentos na região.

A exigência dos sem terra era apenas para ter o direito à educação, mas a polícia foi chamada e os supermercados fecharam as portas. Aglomerados em frente à Prefeitura, homens, mulheres e crianças cantavam e pediam para ser recebidos. Entre eles e o prefeito, um cordão de policiais armados. Entre os pobres e a educação, as armas. Entre o povo e o futuro, o descaso. Historicamente, sempre foi assim. A violência sempre chegou primeiro do que os direitos.

Mas o impasse estava posto. Os trabalhadores não sairiam dali enquanto não fossem recebidos pela Prefeitura. E a polícia não sairia da frente enquanto não recebesse a ordem. Provavelmente para evitar desgaste político, o prefeito resolveu atender uma comissão de sem terras. Por alguma razão que até hoje desconheço, eu acabei indo junto com o grupo de negociação. Naquela euforia toda, ainda pude ouvir um trabalhador dizer: “Ele é jornalista. Ele é jornalista. Bota ele na comissão também.”. Talvez fosse pela possibilidade de registrar tudo. Não sei.

Acompanhei toda a conversa entre o prefeito e os trabalhadores. Horas depois, ficou a promessa de atender a reivindicação do MST. Educação nos assentamentos. Simples assim. Mas a lição dessa história é outra. Não é sobre como podemos conseguir nossos direitos exercendo pressão sobre os governantes. Muito embora esta seja uma boa lição. A aula mesmo é sobre as coisas e o que fazemos com elas.

Dentro do prédio da Prefeitura, na ante-sala do gabinete do prefeito, eu aguardava a comissão ser recebida. Do lado de fora, com a rua fechada, o restante dos trabalhadores cantava hinos de luta. Como quem não quer nada, um policial se aproximou de mim e perguntou:
- Você está com eles?
- Só acompanhando a negociação. Sou jornalista.
- Hum... Queria ver uma coisa com você.
- Pois não.
- Veja, lá fora tem muita gente armada com facões e foices. E nós não queremos que nenhuma confusão aconteça. Não poderíamos ver a possibilidade desse pessoal aí entregar essas armas? Nós recolhemos e depois devolvemos. Só por segurança. – argumentou ele.
- Acho muito difícil, policial. Mesmo porque não há ameaça de nada lá fora.
- E aquelas armas?
- Que armas?
- Aqueles facões e foices.
- Não são armas, policial. São instrumentos de trabalho. Foram feitos para o serviço no campo. Não têm como finalidade ferir ninguém.
- Sim, eu sei. Também tenho meus instrumentos de trabalho. – disse ele, batendo de leve em sua pistola presa ao coldre.
- É diferente. Não é a mesma coisa. O seu instrumento de trabalho foi feito com o objetivo específico de matar. – respondi eu.

Mas o policial já estava se afastando com um riso no canto da boca.

6 comentários:

coquetelmolotov disse...

as coisas e seus usos. Um bom tema pra reflexão. Valeu João, como sempre muito bom!!!

Rosa Kahlo disse...

poxa, ñ tive como ñ me arrepiar com o final. só me veio na memória os escritos do Eric Nepomuceno sobre a chacina em Carajás...sem palavras!

tocante, john!

Ednilma disse...

Muito bom João de novo sem palavras. Mas..." enquanto os homens exercem seus podres poderes"...

Mário Júnior disse...

Ô João, veja bem-dois pontos
Claro que foices e facões, no campo, são instrumentos de trabalho. Mas o que seriam eles portados por alguém numa praça de alimentação de shopping center?

Seriam vistos como armas brancas! Simples.

E lá não era um shopping, era um protesto, onde pode acontecer tensões e conflitos.

Você pode alegar que o intuito não era o de confrontar, mas de lutar pelo direito de educar os filhos deles. Correto. E acho muito justo.

Mas se alguém que não quer me confrontar aparece pra negociar comigo portando objeto cortante, é óbvio que vou achar intrigante.

O que aprendi aqui é simples: vou juntar o povo de minha rua e protestar na frente da prefeitura, pedindo a construção de uma escola na minha rua para os meus filhos (que ainda nem tenho, ui!). A escola pública mais próxima fica meio longe e seria mais cômodo que fizesse uma por aqui.

PS: Foi falta e esse merda do comentarista da Globo quis dizer que era lateral...

Anderson Santos disse...

Sensacional o texto, João.

Giambatista Brito disse...

"O seu instrumento de trabalho foi feito com o objetivo específico de matar." Muito bom.