domingo, 30 de janeiro de 2011

“Pai, afasta de mim esse cálice!”

Por João Paulo da Silva

O refrão da música de Chico Buarque ficou imortalizado como uma das marcas da luta contra a ditadura. A ambiguidade da expressão “cálice” era a representação criativa do anseio de afastar o silêncio que atordoava muita gente. Passados os anos de chumbo, o silêncio ainda permanece. Frequentemente, somos obrigados a nos calar, ou, para usar um eufemismo, não nos é permitido responder. O que na prática é mesma coisa.

A televisão é uma das muitas maneiras de impor o silêncio. Em 1996, o sociólogo francês Pierre Bourdieu, em entrevista ao Jornal do Brasil, afirmou: “A televisão é uma lavagem cerebral, uma despolitização trágica, um instrumento antidemocrático.”. Dando o exemplo da TV norte-americana, Bourdieu caracterizou o ato de ver televisão como uma “experiência terrível”. Para o pensador francês, a caixa mágica resume-se a uma avalanche de propaganda, propaganda e mais propaganda. Numa clara demonstração dos interesses mercadológicos por trás da telinha. De fato, Bourdieu tem razão. Se levarmos em conta – e acho que devemos – algumas reflexões feitas por Muniz Sodré em seu livro O monopólio da fala, chegaremos a uma conclusão perigosa sobre a função da TV.

Trilhando, de certa maneira, o mesmo caminho que Bourdieu, Sodré diz ser a televisão uma “violência” ao processo comunicativo. Comunicação é, primeiramente, diálogo. Deve haver reciprocidade entre falante e ouvinte. A televisão não permite a troca plena da comunicação, não há possibilidade de resposta para o interlocutor. É nisto que consiste o monopólio do discurso, na eliminação da possibilidade de resposta, na hegemonia do falante sobre o ouvinte.

Penso que Bourdieu e Sodré estão certos. A TV “castra” o interlocutor. Antes que os cínicos façam gracinhas, devo advertir que resmungar discordâncias, sentado na poltrona de casa, não vale como resposta. Quem vê TV, não faz TV. O conteúdo veiculado impede a compreensão do mundo como ele de fato é, criando falsas ideologias. A televisão, sob a perspectiva de uma sociedade cindida em classes e voltada aos interesses do mercado, torna-se um poderoso instrumento de homogeneização do grotesco e do vazio. A TV apresenta um mundo diferente do real com a desculpa de que as pessoas estão cansadas de realidade. Faltou dizer que, entre produzir obras de ficção e mascarar a verdade, existe um abismo imenso.

Não estamos mais nos anos de chumbo, é verdade. Mas a enorme ambição de afastar o “cálice” ainda persiste.

4 comentários:

Gabriel Costa disse...

João, o texto ficou muito bom, pois alem de proporcionar uma visão crítica sobre a TV, ainda pontua uma fração da história que muitos do povo brasileiro, apesar de ter vivido, não compreende como foi a contribuição da música na resistência ao regime ditatorial. Nesse sentido sugiro que proponha esse texto aos companheiros(as) da oposição educação para incluí-lo nos conteúdos didáticos a ser trabalhado com o aluno. Além disso, que esses repassem aos colegas nos locais de trabalho e assim por diante.
A mesma coisa deverá ser feito com o texto da internacional socialista.

Bárbara Suellen disse...

Post pertinente diante da febre do momento (mais um momento) BBB ¬¬

Post q indico! ;)

coquetelmolotov disse...

Como sempre João muito bom o seu texto! Posso afirmar que grande parte da mediocridade do mundo tem como pano de fundo a telinha quadrada que fica diante, na maioria das casas populares, bem no centro da sala. Acho que se o inferno existir para mim já sei como ele será...Ser condenado à eternidade a assistir Silvio SAntos com a voz de fundo do lombardi...

coquetelmolotov disse...

e o blog do P. tá inativo???