domingo, 24 de junho de 2007

Espelhos do mundo


Os meus olhos sangram intactos,
Mas ainda continuam fixados
Na realidade que transforma o meu peito
Num alvo fácil para um jogo de dardos.
Engarrafadas estão as minhas lágrimas,
Junto aos livros empoeirados na estante,
Desbotados estão os meus olhos,
Do meu rosto escorre o restante.

Tudo permanece no mesmo lugar,
O chão sob os meus pés
E o sol onde devia estar.
Eu queria ter um pedaço de sonho bom
E um “spray” anti-hipocrisia,
Para acabar com miopia do mundo
E aliviar um pouco a minha azia.
A vida não me afirma mais nada,
Há tantos vegetais fantasiados de humanos,
Mas as impossibilidades não decepam minhas pernas,
Infeliz é o ímpeto de chorar pelos enganos.
Os pulsos sangrentos do mundo
Escondem a paz
Em pano de fundo.
A vida ainda está escondida
No bolso traseiro da calça jeans
De Deus ou do Diabo.

Um comentário:

Estevao disse...

Gostei esta bem ácida as palavras...hum se vc achar o spray me empresta ta uhauhuahu.parabens